Técnicas não invasivas de interrogatório para detetives

Técnicas não invasivas de interrogatório para detetives

Um dos principais desafios do detetive particular é a realização do interrogatório sem que o interrogado se sinta coagido. Como é possível interrogar sem ofender ou fazer que a pessoa investigada se feche?

Para conseguir as informações necessárias é preciso contar com o bom senso e muito conhecimento. O uso de técnicas adequadas permite que o detetive particular consiga mais dados sem parecer invasivo.

Principais técnicas para o detetive particular interrogar sem invadir

Existem inúmeras formas de conquistar as informações desejadas sem impor medo, desconfiança, assustar ou coagir o interrogado.

Para isso é necessário ter uma boa visão da situação, conhecer técnicas interessantes. A seguir confira algumas das principais técnicas usadas por detetives particular extremamente efetivas:

Técnica Reid

Esta é uma técnica muito usada. A conversa com o interrogado é iniciada por uma conversa amigável, descontraída. A medida que a conversa vai avançando e o investigador avalia a personalidade da pessoa, as perguntas vão sendo mais complexas.

Esta metodologia permite conhecer o comportamento do interrogado quando está relaxado ou pelo menos, com um nível de tensão mais ameno.

A partir do reconhecimento da personalidade, induz-se a pessoa a proporcionar mais informações sobre o objetivo da investigação.

Caso haja resistência ao oferecimento de tais informações, o detetive deverá tentar convencer o interrogado de forma educada.

Indícios de medo

O medo de ser descoberto, de ter um segredo revelado pode-se manifestar de diferentes formas. É importante avaliar cuidadosamente a forma como o interrogado fala e não somente o conteúdo da mensagem.

Alguns indícios interessantes que podem entregar mentiras são as pausas abruptas, querer demonstrar muita intimidade.

Também são indícios falar em Deus, iniciar uma frase a modo de resposta com as palavras verbalizadas pelo investigador durante a pergunta.

É importante que o detetive particular conheça a análise metodológica e consiga decifrar as reações do investigado.

Cinestética

Através da cinestética é possível reconhecer e também interpretar ações verbais e físicas do interrogado. Embora não seja uma ciência com resultados exatos, haja vista que as reações são variáveis em forma e intensidade, a união de várias ações ajuda na interpretação.

Linguagem corporal

Quando se fala na linguagem do corpo é preciso contar com parâmetros comparativos. Por este motivo, é indispensável que o investigador intercale perguntas com baixo grau de intimidação e outras mais delicadas.

Durante as respostas das perguntas menos complexas, é importante perceber as reações do investigado. Desta forma, quando for responder as perguntas mais comprometedoras, o detetive particular poderá perceber falsas afirmações.

Todas as técnicas apresentadas neste texto são de grande valia aos investigadores. Vale a pena praticá-las e observar os resultados.

Deseja conhecer mais informações sobre as técnicas usadas pelos grandes detetives particulares. Entre contato comigo através do site ou do telefone informado.

Compartilhar Post