Quanto tempo leva a investigação conjugal?

Quanto tempo leva a investigação conjugal?

Ao procurarem por uma investigação conjugal muitas pessoas almejam um resultado imediato, pois já estão aflitas com as dúvidas acerca da relação e apenas uma resposta sobre a fidelidade ou infidelidade do parceiro ou parceira poderá aliviar a ansiedade que se instala nesse momento. Por mais aflita que esteja, entretanto, é importante que a pessoa respeite o tempo de investigação do detetive particular.

Quanto tempo demora a investigação conjugal?

O período de trabalho necessário para comprovar ou refutar a suspeita de uma traição poderá variar de acordo com diferentes aspectos, como:

  • Quantidade de informações disponibilizadas pelo cliente;
  • Urgência demandada no caso;
  • Aspectos particulares do próprio caso;
  • Rotina do investigado etc.

Como são vários os aspectos que irão determinar como será a condução do caso, e cada caso ocorre de uma forma única, de acordo com as características do próprio investigado, poderão haver disparidades entre períodos necessários para conduzir a investigação.

É comum, entretanto, que o contrato inicial contemple um período entre 7 e 10 dias para obtenção das provas necessárias e elaboração do relatório contendo todos os dados coletados durante o período da investigação conjugal.

Detetives experientes na área conjugal afirmam que o período é o necessário, pois é comum que, em um relacionamento extraconjugal fixo, o intervalo entre encontros ocorra entre o período de uma semana e dez dias, sendo possível que os encontros tenham uma frequência maior ou sejam mais espaçados, variando de caso a caso.

Como posso ajudar no processo de investigação?

É fundamental que o cliente não participe do processo de investigação conjugal, pois, ainda que tenha boas intenções, o envolvimento emocional com a situação pode resultar em uma atitude precipitada e que prejudica todo o processo de investigação e obtenção de provas.

Ainda que ansioso pela conclusão do caso, é fundamental que o cliente permita que o detetive conduza o caso de forma autônoma e sem excessivas abordagens, como ligações recorrentes, pois, além de poder afetar a investigação, também pode gerar suspeitas por parte do investigado que convive com o cliente e, dessa forma, alertá-lo a evitar atitudes diferentes nos dias subsequentes, fazendo com que o processo de investigação tenha uma duração maior.

A colaboração do cliente com o investigador particular é fundamental no sentido de oferecer os dados necessários para o início da investigação conjugal, como informações sobre o investigado, rotina, locais que frequenta e outros. Entretanto, após a contratação do detetive, o trabalho dele irá depender de condições favoráveis, influenciadas por um comportamento normal por parte do cliente.

Compartilhar Post