Quais as diferenças entre os detetives de desenho e os da realidade?

Quais as diferenças entre os detetives de desenho e os da realidade?

Há muitos anos, o detetive particular é representado por uma figura misteriosa e cheia de critérios para solucionar um determinado problema.

No entanto, em desenhos ou filmes, o profissional atua na maioria das vezes como investigador da polícia ou autônomo, sendo que hoje em dia os detetives trabalham para agências e ainda possuem curso de detetive para atuar nesse segmento.

Os personagens de desenhos, por exemplo, de gibis ou desenhos animados costumam ir em busca dos suspeitos através das suas teorias e observações ao longo do processo de investigação.

Os detetives da atualidade trabalham em várias áreas e possuem especialização para atender distintos tipos de necessidades, como é o caso de detetive empresarial que atua em problemas que acontecem dentro de um negócio.

Outra diferença bastante marcante é a figura do detetive, uma vez que em desenhos ele é retratado com chapéus, óculos escuros e capas, enquanto os detetives modernos utilizam disfarces e passam despercebidos, pois são inseridos em ambientes do convívio do investigado como uma pessoa normal.

Além disso, as técnicas utilizadas são totalmente diferentes, porque com o avanço da tecnologia, as estratégias do detetive atual mudaram.

A profissão de detetive

Segundo pesquisas há aproximadamente 60 mil detetives particulares no Brasil. Esse número aumentou muito devido a alta procura por serviços sérios e que precisam de comprometimento, sigilo e credibilidade dos profissionais.

Sendo assim, a profissão de detetive envolve uma série de estratégias, habilidades e técnicas que são capazes de resolver distintos casos.

O acompanhamento do investigado, busca por respostas para esclarecer as dúvidas do cliente e obtenção de provas são tarefas realizadas pelo detetive empresarial e particular.

Desse modo, tudo é resolvido com o comprometimento e competências do profissional para que o cliente fique satisfeito com a investigação.

Compartilhar Post